Sócio de Lulinha mandou esconder documentos na véspera de operação da PF

0
32

Em 3 de março de 2016, véspera da Operação Aletheia, Jonas Suassuna determinou aos diretores do Grupo Gol que reunissem todas as pastas com documentos de cada área da empresa na ‘sala 3’.

Resultado de imagem para Sócio de Lulinha

A ordem está registrada em email, obtido com exclusividade por O Antagonista, de Roberto Bahiense, diretor de relações institucionais, aos colegas Alessandro Sargentelli (Financeiro), Ricardo Machado (Tecnologia) e Marco Aurélio Vitale (Comercial).

Ele escreve: “As pastas de cada área deverão ser agrupadas na Sala 3, conforme recomendação do Jonas. Obrigado.”

Vitale se recusou a cumprir a ordem, que interpretou como “obstrução de justiça”. Ele entregou o “email-bomba” à Lava Jato e revelou que Sargentelli ficou com a chave da sala.

A Operação Aletheia, 24ª fase da Lava Jato, teve como alvo Lula e sua família, além de Jonas Suassuna, sócio de Lulinha e laranja do sítio de Atibaia.

Como O Antagonista revelou na semana passada, a Polícia Federal deixou de cumprir o mandado de busca e apreensão justamente na sala 3, onde foram escondidos também os HDs dos computadores e imagens das câmeras de segurança.

O Antagonista