EXTRA: Cofre ‘Revelado’ agrava situação de Lula perante o Juiz Sérgio Moro

0
40163

Com a divulgação de mais uma delação premiada “explosiva”, em se tratando do diretor de Engenharia da empreiteira Odebrecht, Emyr Diniz Costa Junior, novos detalhes acabaram vindo à tona a respeito de como a maior construtora do país atuava na reforma do sítio Santa Bárbara, localizado na cidade interiorana de Atibaia, no estado de São Paulo. A propriedade desse sítio é atribuído ao ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva, de acordo com as investigações da Operação Lava-Jato, da Polícia Federal. A Lava-Jato é conduzida em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná e é considerada a maior operação já deflagrada no Brasil, no combate à #Corrupção na história do país.

Imagem relacionada

Cofre Para Reforma Em Sítio

O delator Emyr Diniz, revelou, de modo contundente, que chegou a comprar um cofre para que pudesse guardar todo o dinheiro proveniente do departamento de propinas da empreiteira Odebrecht, para concretizar a reforma do sítio de Atibaia. Ainda segundo o engenheiro, a quantia repassada pela empreiteira, correspondia a aproximadamente R$ 500 mil, disponibilizados para as obras no terreno. Ele concluiu anda que “dava semanalmente, em espécie, R$ 100 mil para a implementação das reformas”, assegurou o delator.

A quantia mencionada acabou tendo custos extras, quando mais R$ 200 mil oriundos de propina, foram direcionados para a reforma. O procedimento utilizado para que se angariasse os valores destinados às obras do sítio, ocorriam por meio de recebimento no próprio escritório do delator, após ele informar uma senha ao emissário da empreiteira.O engenheiro comprou um cofre e colocou dentro de um armário de sua sala. Segundo Emyr, os recursos financeiros seriam para construção de alojamento para seguranças do ex-presidente Lula, além de uma edícula contendo quatro suítes, uma sauna e ate mesmo, uma adega. O delator afirmou ainda que toda semana separava a quantia de R$ 100 mil reais para o engenheiro da obra no sítio, Frederico Marcos de Almeida, que repassava os valores a uma pessoa chamada “Aurélio”.

O depoimento também contou com uma denúncia grave: a formalização de um contrato falso, firmado junto ao advogado de Lula, Roberto Teixeira. O intuito, segundo Emyr, era para “regularizar as obras no sítio, de modo que não parecessem que seriam feitas em benefício de Lula e da Odebrecht”, revelou o delator. A defesa de Lula nega, de modo veemente, que o sítio seja de propriedade do ex-presidente. O advogado Roberto Teixeira, que é compadre de Lula, afirmou em nota que Fernando Bittar, o suposto proprietário, segundo a defesa, era seu cliente e atuou para concretizar “o pagamento dos valores devidos, de acordo com o serviço efetuado”, disse. No próximo dia 03 de maio, o ex-presidente Lula deverá prestar depoimento ao juiz Sérgio Moro, com a possibilidade de que a situação se agrave ainda mais para o ex-presidente, já que a força-tarefa da Lava-Jato, terá condições de fundamentar ainda mais a acusação contra Lula, a partir do depoimento dado pelo delator Emyr Diniz Costa Junior. #Lava Jato